Como a nova tecnologia impactará as companhias aéreas na próxima década

 

 

Como a nova tecnologia impactará as companhias aéreas na próxima década

 

As companhias aéreas continuam a procurar novas maneiras de se adaptar às mudanças no setor. À medida que 2020 se aproxima, as empresas estão recorrendo a novas tecnologias para permanecer à frente da concorrência durante a próxima década.

Quer receber as promoções do Trechos e Milhas no seu Whatsapp? Clique aqui e se cadastre! É grátis!

 

Progresso em andamento

À medida que 2019 chega ao fim, houve muitas descobertas tecnológicas para ajudar os mercados da aviação. Um segmento importante que as empresas estão analisando é o combustível de aviação. A pegada de carbono envolvida no fornecimento e no uso de combustível de aviação levou a um apelo global pela revisão de seu papel no vôo.

Posteriormente, as transportadoras tem pesquisado novas maneiras de cultivar combustível para suas operações. Durante o verão, a British Airways iniciou uma iniciativa para criar combustível de aviação a partir do lixo doméstico.

A controladora da BA, o International Airlines Group, está investindo US $ 400 milhões para desenvolver combustível sustentável nos próximos 20 anos. Além disso, a empresa planeja construir o primeiro resíduo comercial da Europa para a usina de combustível em Lincolnshire.

Outras propostas de combustível também serão implementadas, como aeroportos que trabalham com empresas para reciclar emissões.

A empresa de engenharia SkyNRG vem trabalhando com o Aeroporto de Roterdã para se tornar a primeira produção comercial mundial de combustível de aviação produzido com emissões de carbono. A parceria tem como objetivo lançar o projeto até 2021, o que pode abrir caminho para outros seguirem.

 

As usinas de captura de carbono têm como objetivo reciclar o combustível dos aviões. Foto: Mm907 via Wikimedia Commons
As usinas de captura de carbono têm como objetivo reciclar o combustível dos aviões. Foto: Mm907 via Wikimedia Commons

 

Pressão para mudar

É provável que haja muito mais movimentos, como o custo flutuante do petróleo, tornando mais difícil para as companhias aéreas contabilizar os custos. Junto com isso, os consumidores estão cada vez mais conscientes de seu impacto no meio ambiente e escolherão cada vez mais um serviço que causa menos danos.

Os governos também estarão sob pressão para impor viagens aéreas sustentáveis. O Reino Unido anunciou recentemente seus planos de investir 300 milhões de libras para desenvolver formas mais ecológicas de viagens aéreas.

Um grande aspecto de sua proposta envolve o desenvolvimento de eletrônicos. Eles consistem em drones de carga, táxis aéreos urbanos, aviões de passageiros elétricos maiores…

 

A British Airways e o governo do Reino Unido estão estudando a tecnologia para ajudar a desenvolver viagens aéreas sustentáveis. Foto: Aero Pixels via Wikimedia Commons
A British Airways e o governo do Reino Unido estão estudando a tecnologia para ajudar a desenvolver viagens aéreas sustentáveis. Foto: Aero Pixels via Wikimedia Commons

 

Em outros esforços para economizar em emissões, houve revoluções recentes no processo de táxi da aeronave. Nesta semana, a Air India lançou seu primeiro reboque semi-autônomo para puxar aeronaves para a pista chamada Taxibot. Junto com isso, a BA também introduziu o Mototok, um veículo semelhante que funciona via controle remoto.

Esses dispositivos ajudam a economizar o uso de combustível da aeronave durante o táxi e também ajudam com recuos.

 

Assistência automatizada

Outra área de tecnologia que deve receber maior atenção no próximo ano é a inteligência artificial.

O SITA Lab apresentou o KATE, um quiosque de check-in que se moverá autonomamente para áreas mais movimentadas do aeroporto, se necessário.

Os aeroportos já estão implantando a tecnologia de IA para ajudar os passageiros em sua jornada. Seu Pony Express Autônomo (YAPE) foi testado no aeroporto de Frankfurt, ajudando os clientes com suas bagagens. Esses modelos podem transportar malas com peso de até 30 kg, enquanto viajam a 6 km por hora.

 

Estamos prontos para ver mais dispositivos de IA, como o YAPE, nos aeroportos na próxima década. Foto: Aeroporto de Frankfurt
Estamos prontos para ver mais dispositivos de IA, como o YAPE, nos aeroportos na próxima década. Foto: Aeroporto de Frankfurt

 

A KLM também afirmou seu interesse em buscar a tecnologia de IA na próxima década. A transportadora de bandeira holandesa lançou seu sistema de autoaprendizagem Blue Bot (BB). Esse programa ajuda os clientes a reservar passagens aéreas, além de ajudar com as consultas de atendimento ao cliente.

As consultas de atendimento ao cliente antes do embarque serão cada vez mais digitalizadas nos próximos dez anos.

Várias companhias aéreas introduziram o embarque biométrico para ajudar a economizar tempo e dinheiro no carregamento de passageiros em um avião.

A American Airlines e a Emirates se tornaram fãs desse processo em alguns de seus serviços. Junto com isso, a Delta Air Lines continua a expandir seu uso da tecnologia de reconhecimento facial.

Com os cartões de embarque e os programas de vistos cada vez mais digitalizados, os passaportes também podem ter um destino semelhante em determinadas situações.

Ao entrarmos em 2020, há muito espaço para novas tecnologias ocuparem um lugar na indústria da aviação. As companhias aéreas farão todo o possível para economizar em custos, oferecendo um ótimo serviço para seus passageiros.

Que forma de tecnologia você acha que terá um papel importante na aviação na próxima década? Deixe-nos saber seus pensamentos na seção de comentários.

 

Veja também: passo a passo de como tirar o seu passaporte.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui