As companhias aéreas podem começar a cobrar para usar tomadas elétricas a bordo?

Em uma época em que as companhias aéreas procuram vender quantidades crescentes de serviços e mercadorias auxiliares durante o voo, pensamos em dar uma olhada em como as companhias aéreas poderiam começar a cobrar dos passageiros pelo uso de tomadas a bordo.

A subsidiária de baixo custo da Singapore Airlines, Scoot, começou a cobrar passageiros da classe econômica nos seus 787 Dreamliner 8 dólares para carregar seus dispositivos móveis em voos de longo curso em 2015. Outras companhias aéreas, embora ainda não cobrem diretamente pelo uso de energia, instalam apenas pontos de energia em filas em que os passageiros já pagaram um prêmio, por exemplo, em assentos extras para as pernas.

Quer receber conteúdo gratuito do Trechos e Milhas sobre viagens e milhas diretamente no seu Telegram? Clique Aqui

O Scoot de baixo custo já cobra pelo carregamento do 787. Foto: Masakatsu Ukon via Flickr
O Scoot de baixo custo já cobra pelo carregamento do 787. Foto: Masakatsu Ukon via Flickr

 

As companhias aéreas estão agora procurando outras maneiras de cobrar pela energia do assento

Agora, os líderes do setor que fornecem às companhias aéreas recursos de energia no assento estão estudando maneiras inovadoras de cobrar aos passageiros pelo uso de seus produtos. A empresa de eletrônicos alemã KID-Systeme agora está oferecendo às companhias aéreas um complemento para o seu popular carregador de assento Skypower, chamado MoneyPower.

O MoneyPower é um dispositivo de três centímetros de comprimento que se parece com um dongle de laptop antigo que se encaixa entre o divisor de cabo e a fonte de alimentação do assento. Ao instalar o dispositivo MoneyPower, as companhias aéreas agora podem ativar ou desativar a fonte de alimentação por controle remoto.

Ao falar sobre seu novo interruptor de energia com o site Runway Girl Network do APEX EXPO do mês passado em Boston, Massachusetts, Maren Muente da KID disse que “o KID [também está trabalhando] em uma solução baseada em um padrão WiFi da cabine que permite a transmissão através de um tablet ou comissário de bordo. Isso poderia permitir um fluxo de energia pré-reservado ” para os passageiros das companhias aéreas.

O que isto significa é que as companhias aéreas terão agora mais uma oportunidade de cobrar aos passageiros por um serviço enquanto estiverem a bordo da aeronave.

 

A IFPL apresentou uma ideia baseada em aplicativo

A principal concorrente da KID no mercado de assentos, a IFPL , sediada no Reino Unido , adotou uma abordagem diferente quando se trata de como as companhias aéreas podem cobrar pelo uso de assentos.

 

Com o sistema de energia da IFPL, as companhias aéreas podem transmitir anúncios de maneira semelhante à do YouTube: Foto IFPL
Com o sistema de energia da IFPL, as companhias aéreas podem transmitir anúncios de maneira semelhante à do YouTube: Foto IFPL

 

Ao falar com o diretor de desenvolvimento de negócios da Runway Girl Network para a América do Norte, Mark Reed explicou como o sistema funcionava, dizendo:

“O conceito original era cobrar a cobrar, mas com as companhias aéreas tendo que introduzir um método de pagamento adicional, também analisamos os diferentes cenários já disponíveis. Com o software livre, muitas vezes você tem um anúncio para assistir por 5 a 10 segundos. O YouTube faz isso há anos, então as pessoas geralmente estão familiarizadas com isso. ”

O modelo que a IFPL está propondo funciona como um aplicativo no seu telefone e pode até ser incorporado ao aplicativo da companhia aérea.

“Quando o telefone está conectado, iniciamos automaticamente; assim que o telefone detecta nossa tomada, ele inicia automaticamente a tela. Você clica em “assistir anúncio”, a tela inicial aparece … e depois há um guia de luz ao redor do próprio conector USB, que muda de cor para verde para indicar que você tem energia “, explica Reed.

Embora o sistema que a KID-Systeme tenha criado apele para as transportadoras de baixo custo, como a Ryanair, que cobram por tudo o que podem, não acho que as companhias aéreas de serviço completo fariam isso.

O sistema da IFPL, no entanto, poderia ser atraente, pois permitiria à companhia aérea exibir vídeos promocionais aos passageiros enquanto eles carregavam seus telefones ou tablets.

Como um todo, sou contra todas essas cobranças acessórias e odeio ter que pagar pelo Wi-Fi quando acho que ele deve ser gratuito. Quanto ao carregamento no banco, acho que isso também deve ser gratuito.

O que você acha? Por favor deixe nos saber nos comentários

Fonte: simpleflying.com

 

Veja também: vai viajar com bagagem de mão e não sabe o que é permitido levar? Então confira!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui