Companhias aéreas do mundo todo receberam 123 bilhões de dólares em auxílio

Companhias aéreas do mundo todo receberam 123 bilhões de dólares em auxílio

À medida que são divulgadas notícias sobre o aumento do número de resgates de companhias aéreas em todo o mundo, a IATA revelou que, no total, as companhias aéreas receberam 123 bilhões de dólares em ajuda até agora. Embora sejam boas notícias para a aviação, a realidade é que US$ 67 bilhões dessa ajuda precisarão ser devolvidos.

Do financiamento recebido, US$ 67 bilhões são provenientes de empréstimos do governo, impostos diferidos e garantias de empréstimos. Outros US$ 52 bilhões são de fontes comerciais, que incluem empréstimos, dívida do mercado de capitais, linhas de crédito existentes e dívida de novos arrendamentos operacionais.

O Diretor Geral e CEO da IATA, Alexandre de Juniac, comentou as conclusões, dizendo:

“A ajuda do governo está ajudando a manter a indústria à tona. O próximo desafio será impedir que as companhias aéreas afundem sob o peso da dívida que a ajuda está criando. ”

No geral, a IATA diz que o nível de endividamento do setor de aviação global aumentará em US$ 120 bilhões até o final do ano, elevando-o a um total de US$ 550 bilhões. Esse aumento de 28% pode servir para prejudicar a aviação no futuro, nos anos em que o retorno da demanda e, portanto, a receita das companhias aéreas, deverão sofrer uma recuperação lenta.

Além do crescente nível de dívida reembolsável, a IATA destaca que mais da metade da ajuda governamental criou novos passivos para as companhias aéreas. De Juniac disse:

“Isso muda completamente o cenário financeiro da indústria. Pagar a dívida dos governos e credores privados significará que a crise durará muito mais do que o tempo necessário para a demanda de passageiros se recuperar. ”

Companhias aéreas do mundo todo receberam 123 bilhões de dólares em auxílio
A América do Norte concedeu a maior proporção de ajuda.  Foto: American Airlines

Onde foi gasto o dinheiro?

Embora US$ 123 bilhões pareçam uma quantidade substancial de financiamento, a IATA foi rápida em apontar que isso representa apenas cerca de 14% da receita total das companhias aéreas durante 2019. Estima-se que as companhias aéreas tenham gerado globalmente US$ 838 bilhões no último ano.

As variações regionais de onde os resgates foram e não foram gastos iluminam lacunas no financiamento e onde os governos ainda precisam intensificar.

O melhor desempenho na análise da IATA é a América do Norte. No total, foram prometidos US$ 66 bilhões em ajuda, representando 25% da receita de US$ 264 bilhões em 2019. A Europa é a próxima região mais generosa, tendo desembolsado US$ 30 bilhões em ajuda. No entanto, este é apenas 15% dos US$ 207 bilhões gerados pelas companhias aéreas na Europa no ano passado.

A região Ásia-Pacífico vem em seguida, prometendo US$ 26 bilhões em alívio para suas companhias aéreas até agora. Isso representa 10% da receita total gerada no ano passado, calculada em US$ 257 bilhões.

Sem surpresa, as duas regiões que se saíram piores até agora são a América Latina e a África e o Oriente Médio. Até agora, as companhias aéreas africanas receberam apenas US$ 800 milhões em ajuda, 1,1% da receita do ano passado. A América Latina teve o pior resultado, com apenas US$ 300 milhões em ajuda prometida, representando 0,8% da receita de 2019.

Fonte: simpleflying.com

Quer receber conteúdo gratuito do Trechos e Milhas sobre viagens e milhas aéreas? Acesse nosso canal Telegram!

Veja também: 15 dicas sobre o que fazer antes de viajar.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui