Cubana completa 90 anos – Como está a companhia aérea hoje?

 

Cubana completa 90 anos - Como está a companhia aérea hoje?
Cubana completa 90 anos – Como está a companhia aérea hoje?

 

Na semana passada, Cubana de Aviación comemorou seu 90º aniversário. O porta-bandeira de Cuba passou por uma jornada colorida desde que foi fundada, em 8 de outubro de 1929.

A empresa começou sob o apelido de Companhia Nacional de Aviação Civil Curtiss SA Esta era inicialmente uma escola de vôo que também fornecia serviços de fretamento. A empresa estava intimamente associada à fabricação de aeronaves Curtiss, da qual se associou para sua frota inicial.

O monoplano de asa alta, Curtiss Robin, foi a escolha preferida de aeronave pela companhia aérea. A jovem transportadora também usou o avião anfíbio Sikorsky S-38, o Ford Trimotor e os modelos Lockheed Electra.

 

Influência estrangeira

Após o sucesso de seus serviços regulares, a Pan American World Airways assumiu o controle de 100% da Cubana em 1932. Posteriormente, a companhia sediada nos Estados Unidos retirou a palavra Curtiss do título de sua nova aquisição. Os mercados de aviação do Caribe começaram a surgir e, assim como sua participação na Avianca na época, a Pan Am comprou a Cubana para afirmar sua influência na América Latina.

Durante esse período, a maior parte da receita de Cubana veio da operação dos serviços de correio de Cuba. Devido ao custo de voar na época, apenas os ricos podiam pagar. Portanto, grande parte da população do país não viaja de avião. A maioria dos passageiros de Cubana eram homens de negócios e profissionais ricos.

Essas operações viram a expansão de viagens para outras partes do país, permitindo que cidades anteriormente remotas se tornassem parte da rede de aviação. Quando a década de 1940 chegou, Cubana tinha uma frota de 12 aviões, que eram pilotados por pilotos treinados pela nova escola de aviação civil de Cuba.

 

Cubana completa 90 anos - Como está a companhia aérea hoje?
Cubana completa 90 anos – Como está a companhia aérea hoje?

 

Interesse nacional

A participação da Pan Am na Cubana foi reduzida para apenas 42% como resultado de uma venda a investidores cubanos em 1944. Isso deu à companhia aérea o direito de ser chamada de companhia aérea principalmente cubana, dando uma sensação de patriotismo ao país.

Posteriormente, a transportadora tornou-se membro fundador da International Air Transport Association (IATA). Essa organização surgiu devido a uma conferência realizada em Havana em abril de 1945, afirmando a influência de Cuba na aviação global na época.

Um mês depois, a Cubana lançou seus primeiros vôos internacionais regulares de sua capital para Miami com os aviões Douglas DC-3 . Essa mudança significou que a empresa foi a primeira na América Latina a operar serviços programados de passageiros para a cidade da Flórida. A rota deu lugar a novas indústrias do turismo, já que agora os cubanos podiam facilmente visitar cidades do outro lado do mar.

Com base em avanços internacionais, Cubana iniciou serviços transatlânticos para Madri antes de expandir para Roma. A companhia aérea tornou-se uma verdadeira marca cubana quando a Pan Am vendeu o restante de suas ações em 1954. À medida que continuava a crescer, iniciou sua revista de bordo, intitulada Aeroguía Cubana.

Esta publicação ajudou a desenvolver outras indústrias em Cuba, pois continha diretórios de restaurantes, museus e pontos de interesse cultural. Marcas populares cubanas, como a fabricante de rum Bacardi, patrocinaram a revista, abrindo novas oportunidades globais.

 

Uma representação de uma super constelação de Cubana em 1953. Foto: Emalec via Wikimedia Commons
Uma representação de uma super constelação de Cubana em 1953. Foto: Emalec via Wikimedia Commons

 

Conflito da Guerra Fria

Apesar da progressão na década de 1950, a ascensão do Movimento 26 de julho inicialmente prejudicou a transportadora. Três aviões cubanos foram seqüestrados neste período da luta cubana. Um dos incidentes ocorreu em 1958 e causou 17 mortes e a perda de um visconde VV-755.

No entanto, quando Fidel Castro estava no poder, ele considerava Cubana um grande patrimônio para o país. A capacidade da companhia aérea de auxiliar na construção de relações externas a tornou uma entidade importante para o novo regime. Castro logo fundiu Cubana com três outras operadoras e nacionalizou a companhia aérea para torná-la a transportadora de bandeira oficial.

Durante esse período, muitos profissionais qualificados de Cuba foram para a Flórida, abrindo espaço para muitas lacunas no pessoal. As tensões também cresceram com os EUA como parte da Guerra Fria, onde Cuba teve um enorme alinhamento com a União Soviética. Posteriormente, a CIA executou a invasão da Baía dos Porcos em abril de 1961, aterrando todas as aeronaves Cubana. Uma das aeronaves Douglas DC-3 da companhia aérea também foi destruída durante o bombardeio.

Este período também viu outro aumento de tentativas de seqüestro nas novas aeronaves apoiadas pelos soviéticos de Cubana devido às políticas dos EUA que incentivavam os seqüestradores. Os seqüestradores receberam asilo automático nos EUA para aumentar a instabilidade em Cuba.

 

Cubana completa 90 anos - Um Cubana Britannia, usado em 1958. Foto Emalec via Wikimedia Commons
Cubana completa 90 anos – Um Cubana Britannia, usado em 1958. Foto Emalec via Wikimedia Commons

 

Ainda em pé

Apesar de enfrentar lutas duras durante a Guerra Fria, Cubana conseguiu continuar operando e saiu do conflito ainda mais forte. Os EUA continuaram seu embargo a Cubana, com a proibição do espaço aéreo americano ainda em vigor durante os anos 90. Essas batalhas não impediram o operador de servir mais de 35 cidades internacionais nas Américas e na Europa.

Quando o milênio chegou, a transportadora começou a reforma de suas aeronaves russas e ucranianas. Segundo a Planespotters , a empresa agora opera seis aeronaves An-158, quatro Illyushin 11-96s, quatro Tupolev Tu-204s. A empresa também possui dois ATR-72 franceses, elevando o tamanho de sua frota para 12 aviões.

A empresa tem visto isso ao longo dos anos. Viu alinhamentos com os EUA, a Segunda Guerra Mundial, conflitos com os EUA e a queda da União Soviética. Após a morte de Fidel Castro, há três anos, houve um pequeno progresso na diplomacia entre Cuba e os EUA. À medida que o turismo em Cuba continua a crescer, Cubana pode se ver liderando em novos mercados à medida que avançamos na próxima década.

O que você acha da jornada de Cubana? Deixe-nos saber seus pensamentos na seção de comentários.

Quer receber as promoções do Trechos e Milhas no seu Whatsapp? Clique aqui e se cadastre! É grátis!

Fonte: simpleflying.com

Veja também: passo a passo de como tirar o seu passaporte.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui