Demanda de passageiros despenca em março com as restrições de viagem impostas pelos governos

Demanda de passageiros despenca em março com as restrições de viagem impostas pelos governos

Demanda de passageiros despenca em março com as restrições de viagem impostas pelos governos

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) anunciou os resultados globais do tráfego aéreo de passageiros de março de 2020, com a demanda (medida em passageiros-quilômetros pagos transportados, ou RPKs) apresentando queda de 52,9% em relação a março de 2019.

Essa foi a pior queda na história recente, refletindo o impacto das ações adotadas pelos governos para evitar a disseminação do COVID-19. Com ajuste sazonal, o volume global de passageiros retornou aos níveis de 2006.

A capacidade de março (medida em assentos disponíveis por quilômetro, ou ASKs) caiu 36,2% e a taxa de ocupação apresentou queda de 21,4 pontos percentuais, atingindo 60,6%.

“Março foi um mês desastroso para a aviação. As companhias aéreas sentiram o impacto crescente das medidas relacionadas à COVID-19 relacionadas ao fechamento de fronteiras e restrições de viagem, inclusive nos mercados domésticos. A demanda atingiu o mesmo nível de 2006, mas temos frotas e funcionários em dobro. Para piorar, sabemos que a situação se complicou ainda mais em abril, com sinais de recuperação lenta”, disse Alexandre de Juniac, diretor geral e CEO da IATA.

Demanda de passageiros despenca em março com as restrições de viagem impostas pelos governos

Mercados internacionais de transporte aéreo de passageiros

A demanda internacional de passageiros diminuiu 55,8% em março de 2020 em relação a março de 2019, um resultado muito pior do que a queda de 10,3% registrada em fevereiro. Todas as regiões apresentaram declínio de dois dígitos no tráfego de passageiros. A capacidade despencou 42,8% e a taxa de ocupação caiu 18,4 pontos percentuais, atingindo 62,5%.

As companhias aéreas da região Ásia-Pacífico apresentaram a maior queda entre todas as regiões, pois o tráfego caiu 65,5% em março de 2020 em relação ao mesmo período do ano passado, mais que o dobro da queda de 30,7% registrada em fevereiro. A capacidade caiu 51,4% e a taxa de ocupação despencou 23,4 pontos percentuais, atingindo 57,1%.

As companhias aéreas da Europa registraram queda de 54,3% na demanda em março de 2020 em relação ao mesmo período do ano passado. Em fevereiro de 2020, o tráfego foi praticamente estável em relação a fevereiro de 2019. A capacidade caiu 42,9% e a taxa de ocupação reduziu 16,8 pontos percentuais, atingindo 67,6%, a maior entre as regiões.

As companhias aéreas do Oriente Médio registraram queda de 45,9% no tráfego em março, revertendo o aumento de 1,6% registrado em fevereiro. A capacidade foi reduzida em 33,5% e a taxa de ocupação caiu 13,7 pontos percentuais, atingindo 59,9%.

As companhias aéreas da América do Norte registraram queda de 53,7% no tráfego de passageiros em relação a março do ano passado, significativamente maior que a queda de 2,9% registrada em fevereiro de 2020 (versus fevereiro de 2019). A capacidade despencou 38,1% e a taxa de ocupação caiu 21,1 pontos percentuais, atingindo 62,8%.

As companhias aéreas da América Latina apresentaram queda de 45,9% na demanda de março em relação ao mesmo mês do ano passado; em fevereiro, a queda foi de 0,2% quando comparada a fevereiro de 2019. A capacidade encolheu em 33,5% e a taxa de ocupação caiu 15,3 pontos percentuais, atingindo 66,5%.

As companhias aéreas da África apresentaram queda de 42,8% em março, um declínio significativo em relação à queda de 1,1% registrada em fevereiro. A capacidade caiu 32,9% e a taxa de ocupação contraiu 10,5 pontos percentuais, atingindo 60,8%.

Mercados domésticos de transporte aéreo de passageiros

A demanda por viagem doméstica diminuiu 47,8% em março de 2020 em relação a março de 2019, com queda de dois dígitos em todos os mercados. Em fevereiro, a queda foi de 21,3% (versus fevereiro de 2019). A capacidade diminuiu 24,5% e a taxa de ocupação caiu 26,0 pontos percentuais, atingindo 58,1%.

Demanda de passageiros despenca em março com as restrições de viagem impostas pelos governos

As companhias aéreas da China mantiveram os maiores índices de queda, com declínio de 65,5% na demanda doméstica em março de 2020 em relação a março de 2019. Apesar disso, este resultado foi melhor que o declínio de 85% registrado em fevereiro, pois o país iniciou a reabertura do mercado doméstico em março.

As companhias aéreas do Japão registraram o declínio de 55,8% em relação ao ano anterior nos RPKs domésticos, apesar de não ter implementado restrições generalizadas.

Resumindo

“O setor de viagem está em queda livre e ainda não chegamos ao fundo do poço. Mas espero que, em breve, as autoridades possam reduzir as restrições de viagem e abrir suas fronteiras. Para isso, é fundamental que os governos trabalhem com o setor agora e se preparem para a reabertura. Esta é a única forma de garantir a implementação de medidas para manter os passageiros em segurança durante as viagens e assegurar aos governos que a aviação não será um vetor na propagação da doença. Também devemos evitar a confusão e a complexidade que vimos logo após o 11 de setembro de 2001. Os padrões globais amplamente aceitos e operacionalmente viáveis serão essenciais para a retomada. A única maneira de chegarmos lá é com o trabalho em conjunto”, disse Alexandre de Juniac.

Quer receber conteúdo gratuito do Trechos e Milhas sobre viagem e milhas aéreas? Acesse nosso canal Telegram!

Veja também: 15 dicas sobre o que fazer antes de viajar.

spot_img

Leave a reply

Please enter your comment!
Please enter your name here

Trechos e Milhas